[Fechar]

banner

sexta-feira, 13 de maio de 2011

PERGUNTA & RESPONDE TECNOPEG - Debate Sobre o Vazamento de Petróleo Ocorrido no Golfo do México

Olá, boa tarde queridos Tecnopeguianos e Tecnopeguianas!

Hoje, venho convidar vocês para mais um debate no nosso PERGUNTA & RESPONDE TECNOPEG! Dessa vez, vamos falar sobre o desastre ocorrido no Golfo do México. Muitos devem se lembrar da catástrofe ocorrida com a BP no Golfo do México! Não?!

Grande extensão de petróleo derramado nas águas do Golfo do México; meio ambiente altamente abalado, colocando em risco a vida de milhares de animais e espécies em extinção; empresa petrolífera arcando com um prejuízo monstruoso e um país em alerta.

Na quarta-feira ( 18/ 05 ) estaremos realizando o nosso debate no PERGUNTA & RESPONDE TECNOPEG! Será às 14:00 horas pelo meu Twitter @petroleira_tecn!

Iremos debater sobre as causas dessa catástrofe! O que aconteceu de fato? Por que aconteceu? Quem são os reais responsáveis? Participem e deixem a sua opinião lá!

Para terem uma base para o nosso debate, leiam o artigo que a UOL colocou em seu site na época do acontecimento ( 08/09/2010 - 18h12 ) . Continuem lendo e vejam na íntegra!




Washington, 8 set (EFE).- A BP publicou hoje os aguardados resultados da investigação da explosão de uma plataforma petrolífera no Golfo do México, na qual morreram 11 pessoas.

No documento, a empresa diz que o acidente foi causado não por um erro, mas por uma confluência de erros, cometidos tanto pela BP quanto por outras empresas.

O relatório sobre o maior vazamento da história dos Estados Unidos, de 190 páginas, é o resultado de quatro meses de auditorias internas por parte de 50 especialistas em segurança e operações da BP.

Em suas conclusões principais, o documento assinala a responsabilidade da própria BP, que operava a plataforma, mas também da proprietária da estrutura, a Transocean, e da firma construtora do poço, a Halliburton.

Quanto ao próprio projeto do poço, o relatório da BP diz que não é provável que tenha contribuído para o desastre, ainda que no momento do acidente a estrutura estivesse funcionando de maneira diferente da planejada.

As causas disso foram o tipo de cimento utilizado em sua construção, que não era o adequado, e o mau funcionamento do dispositivo que devia conter a saída de petróleo e gás.

Em suas conclusões, o relatório afirma que a responsabilidade pelo acidente que destruiu a plataforma Deepwater Horizon, avaliada em US$ 365 milhões, corresponde a "múltiplas companhias e equipes de trabalho".

Após a explosão, cerca de cinco milhões de litros de petróleo cru foram derramados nas águas do Golfo durante 87 dias.

Simultaneamente à divulgação do relatório pela empresa, que é a maior extratora de petróleo e gás na área americana do Golfo, a empresa de classificação de crédito Fitch Ratings subiu em três graus o nível da BP, de "BBB" para "A".

A Fitch Ratings sustentou que a perspectiva da BP melhorou desde o término da ameaça de novos vazamentos de petróleo no poço "Macondo", a 1.500 metros de profundidade no Golfo do México.

"O relatório da investigação proporciona nova e importante informação sobre as causas deste horrível acidente", disse, em declaração distribuída pela BP, o ex-executivo principal da empresa, Tony Hayward, que deixará o cargo no dia 1º de outubro.

A Transocean perfurou o poço de US$ 140 milhões sob supervisão da BP. Já a Halliburton tinha a seu cargo o trabalho de revestimento do poço em torno do encanamento de extração de hidrocarbonetos.

O documento desta quarta-feira isenta de culpa o projeto do poço, mas diz que a contenção de cimento injetado pela Halliburton provavelmente falhou, o que permitiu que o gás da jazida penetrasse no poço.

"Tendo o relatório como base, parece improvável que o projeto do poço tenha contribuído para o incidente", disse Hayward.

O poço "Macondo" estava projetado para que o gás fluísse pelos lados do tubo, ou seja, de maneira separada do petróleo, mas não foi o que ocorreu.

Os pesquisadores da BP determinaram que nos minutos anteriores ao acidente o gás fluiu dentro do revestimento metálico, e não pelos lados, o que favoreceu o desastre.

De fato, a auditoria revela que os trabalhadores na plataforma, tanto os da BP como os da Transocean, interpretaram de forma errada os dados que estavam recebendo nos 40 minutos anteriores à explosão, quando ainda havia tempo de cortar o fluxo do poço.

"É evidente que uma série de eventos complexos, mais que um erro único, conduziu a esta tragédia", acrescentou Hayward, que ressaltou que "estiveram envolvidas nisto várias partes, incluindo BP, Halliburton e Transocean".

Após a explosão, deveria ter sido ativado o "sistema de prevenção de derramamentos" (BOP, na sigla em inglês), mas a ferramenta também falhou, o que permitiu meses de vazamento de petróleo no mar.

Segundo o relatório, o BOP "apresentou falhas no seu funcionamento provavelmente porque tinha algumas peças danificadas".

O BOP foi extraído do poço na última sexta-feira, e foi entregue a autoridades americanas que averiguam o acidente de 20 de abril.


Espero a participação de todos! Expor a nossa opinião é importante, pois tanto na vida como no mercado de trabalho, irão nos pedir um parecer sobre determinados assuntos e precisaremos ter conhecimento e confiança para expor nossa opinião!

Forte abraços à todos!

Juliana Silveira




Visite também:


PETRÓLEO VAGAS, onde sua vaga na Indústria de Petróleo está esperando por você. www.petroleovagas.blogspot.com

PETRÓLEO E GÁS NETWORKING, a Rede Social do Estudante e Profissional da Indústria do Petróleo

Twitter TECNOPEG: www.twitter.com/tecnopeg
Twitter PETROLEO_VAGAS: www.twitter.com/Petroleo_Vagas

"Tudo posso naquele que me fortalece" (Filipense 4:13)

1 comentários:

Luiz Henrique Consultor Oil&Gas 13 de maio de 2011 16:55  

Se quiserem uma base para opinar, visitem meu blog em: http://luizhenriqueoilegas.blogspot.com/search?updated-max=2011-05-09T06%3A33%3A00-07%3A00&max-results=7

Abracos,

Blog Widget by LinkWithin

TECNOPEGUIANOS

Arquivo do blog

De onde nos visitam

Diretórios

Tire sua Dúvida

  ©Template by Dicas Blogger.